Temer diz que resistirá 'até o fim' da gestão: 'Se quiserem, me derrubem'

Em discurso durante encontro com ministros e parlamentares, no Palácio da Alvorada, o peemedebista disse que irá comprovar a sua inocência.

O presidente Michel Temer reconheceu neste domingo (21) que ficou abalado com a crise política instaurada com a delação premiada de executivos da JBS, mas que resistirá no cargo "até o fim". "Eu não vou renunciar. Se quiserem, me derrubem, porque, se eu renuncio, é uma declaração de culpa", disse.

Em discurso durante encontro com ministros e parlamentares, no Palácio da Alvorada, o peemedebista disse que irá comprovar a sua inocência e chamou o empresário Joesley Batista de "rematado delinquente".

Segundo relatos de presentes, ele lembrou que reagiu mal ao impacto inicial das acusações feitas contra ele, mas que se recuperou após fazer pronunciamentos públicos e apresentar sua defesa jurídica.

Ele pediu aos presentes no encontro que resistam com ele "pelo país e pela ordem jurídica". E disse nunca ter visto alguém treinar para fazer uma delação premiada.

Os executivos da JBS tiveram uma espécie de aula dada por um procurador e uma delegada antes de Joesley se encontrar com o presidente e gravar a conversa entre ambos.


O peemedebista pediu ainda a senadores e deputados que o Congresso Nacional que não fique paralisado por conta da crise política e que eles coloquem em votação propostas governistas.

"O Poder Legislativo irá atender ao pedido e trabalhar pelo país com normalidade", disse o líder do governo na Câmara dos Deputados, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB).

☇COMPARTILHE ESSA NOTÍCIA COM AMIGOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. USE COM RESPONSABILIDADE.