Irmão de Suzane não foi encontrado na cracolândia, diz PM

De acordo com o jornal O Globo, ao tomar conhecimento de que seria internado, Andreas, atendido por um psiquiatra, tentou se jogar da maca.

Ao contrário do que foi veiculado na mídia, o irmão de Suzane von Richthofen, condenada a 39 anos e seis meses pela morte dos pais, não foi encontrado na cracolândia, revelou a Polícia Militar. Andreas Albert von Richthofen, de 29 anos, estava na Chácara Flora, em Santo Amaro, Zona Sul de São Paulo, local que não é considerado ponto de encontro entre usuários de drogas, relatou o Bahia Notícias.

Na madrugada dessa terça-feira (30), o doutor em química foi encaminhado a hospitais municipais de São Paulo. Agitado, desorientado e agressivo, ele foi encontrado por policiais quando tentava pular o portão de uma casa que dizia ser do tio dele.

De acordo com o jornal O Globo, ao tomar conhecimento de que seria internado, Andreas, atendido por um psiquiatra, tentou se jogar da maca. No prontuário do Hospital do Campo Limpo, na Zona Sul da capital paulista, dizia que os sintomas condiziam com "abuso de substâncias ilícitas".


Internação irregular

A Secretaria de Saúde de São Paulo não comprovou se a internação de Andreas cumpriu os requisitos legais. Ele não concordou em ser mantido na ala psiquiátrica do hospital e enfermeiros tiveram que contê-lo à força. A pasta não irá se manifestar sobre o caso.

Caso o irmão de Suzane tivesse concordado com a internação, ele teria que assinar um termo de consentimento do regime de tratamento. Internações contra a vontade do paciente são consideradas legais quando um familiar ou responsável assine o termo. Como Andreas estava sozinho, a internação pode ter descumprido a lei e seria irregular.

COMPARTILHE ESSA NOTÍCIA COM AMIGOS

Publicidade
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. USE COM RESPONSABILIDADE.